Desejados: Nicholas Sparks

Esses tempos eu estava notando como o Nicholas Sparks lançou livros esse ano e eu ainda não li quase nenhum. Até pouco tempo atrás eu podia dizer que se não tinha todos os livros dele, faltavam no máximo um ou dois, e agora eu tenho bem poucos! Mas isso não é inteiramente minhas culpas, quem mandou ele escrever tão rápido, né? hahaha

Para quem já leu alguma — ou mais de uma — resenha minha de um livro dele, deve ter percebido como minha relação com Sparks é meio instável. Eu não gosto dele, nem um pouquinho. Acho que ele não tem a mínima criatividade — sério, você não precisa nem terminar a primeira página de um livro dele para saber o que vai acontecer no final — e sempre usa os mesmos artifícios para conquistar os leitores. Mas, por outro lado, eu adoro romances clichês, o que quer dizer que eu não me importo nem um pouco em já saber como um livro (desse gênero!!!!) vai terminar, e, como Sparks escreve bem — tenho que admitir isso! — eu acabo sempre gostando dos livros dele, embora não goste dele como autor.

E é por isso que, mesmo não gostando muito dele, eu fiz uma lista com seus livros que eu ainda não tenho e estou louca para comprar!

O Melhor de Mim

Na primavera de 1984, os estudantes Amanda Collier e Dawson Cole se apaixonaram perdidamente. Embora vivessem em mundos muito diferentes, o amor que sentiam um pelo outro parecia forte o bastante para desafiar todas as convenções de Oriental, a pequena cidade em que moravam. Nascido em uma família de criminosos, o solitário Dawson acreditava que seu sentimento por Amanda lhe daria a força necessária para fugir do destino sombrio que parecia traçado para ele. Ela, uma garota bonita e de família tradicional, que sonhava entrar para uma universidade de renome, via no namorado um porto seguro para toda a sua paixão e seu espírito livre. Infelizmente, quando o verão do último ano de escola chegou ao fim, a realidade os separou de maneira cruel e implacável. Vinte e cinco anos depois, eles estão de volta a Oriental para o velório de Tuck Hostetler, o homem que um dia abrigou Dawson, acobertou o namoro do casal e acabou se tornando o melhor amigo dos dois. Seguindo as instruções de cartas deixadas por Tuck, o casal redescobrirá sentimentos sufocados há décadas.

O Casamento

Sparks está em sua melhor forma nesta comovente história de amor sobre um herói imperfeito que tenta corrigir seus erros.” – Booklist Após quase 30 anos de casamento, Wilson Lewis é obrigado a encarar uma dolorosa verdade: sua esposa, Jane, parece ter deixado de amá-lo, e ele é o único culpado disso. Viciado em trabalho, Wilson costumava passar mais tempo no escritório do que com a família. Além disso, nunca conseguiu ser romântico como o sogro era com a própria mulher. A história de amor dos pais de Jane, contada em Diário de uma paixão, sempre foi um exemplo para os filhos de como um casamento deveria ser. Diante da incapacidade do marido de expressar suas emoções, Jane começa a duvidar de que tenha feito a escolha certa ao se casar com ele. Wilson, porém, sente que seu amor pela esposa só cresceu ao longo dos anos. Agora que seu relacionamento está ameaçado, ele vai fazer o que for necessário para se tornar o homem que Jane sempre desejou que ele fosse.

À Primeira Vista

Jeremy Marsh tinha três certezas: jamais se mudaria de Nova York, não se apaixonaria novamente e nunca teria filhos. Mas agora ele está prestes a se casar com Lexie Darnell e aguarda a chegada da primeira filha, enquanto conduz a reforma de sua nova casa na pequena cidade de Boone Creek, na Carolina do Norte.
Em meio a tantas mudanças, Jeremy luta para reencontrar o equilíbrio pessoal e profissional ao lado da mulher que o fez mudar todos os seus planos. Quando tudo parece estar entrando nos eixos, Jeremy recebe um misterioso e-mail que dá início a uma série de acontecimentos que irão testar a força dessa paixão.
Atormentado pela ideia de estar sendo traído, vivendo uma crise criativa que o impede de trabalhar e angustiado com a gestação complicada de Lexie, ele não poderia imaginar que o pior – e o melhor – ainda estava por vir.

Uma Curva na Estrada

A vida do subxerife Miles Ryan parecia ter chegado ao fim no dia em que sua esposa morreu. Missy tinha sido seu primeiro amor, a namorada de escola que se tornara a companheira de todos os momentos, a mulher sensual que se mostrara uma mãe carinhosa. Uma noite Missy saiu para correr e não voltou. Tinha sido atropelada numa rua perto de casa. As investigações da polícia nada revelaram. Para Miles, esse fato é duplamente doloroso: além de enfrentar o sofrimento de perder a esposa, ele se culpa por não ter descoberto o motorista que a atropelou e fugiu sem prestar socorro. Dois anos depois, ele ainda anseia levar o criminoso à justiça. É quando conhece Sarah Andrews. Professora de seu filho, Jonah, ela se mudou de Baltimore para New Bern na expectativa de refazer sua vida após o divórcio. Sarah logo percebe a tristeza nos olhos do aluno e, em seguida, nos do pai dele. Sarah e Miles começam a se aproximar e, em pouco tempo, estão rindo juntos e apaixonados. Mas nenhum dos dois tem ideia de que um segredo os une e os obrigará a tomar uma decisão difícil, que pode mudar suas vidas para sempre.

O Guardião

Quarenta dias após a morte de seu marido, Julie Barenson recebe uma encomenda deixada por ele. Dentro da caixa, encontra um filhote de cachorro dinamarquês e um bilhete no qual Jim promete que sempre cuidará dela. Quatro anos mais tarde, Julie já não pode depender apenas da companhia do fiel Singer, o filhotinho que se tornou um cachorro enorme e estabanado. Depois de tanto sofrimento, ela enfim está pronta para voltar a amar, mas seus primeiros encontros não são nada promissores. Até que surge Richard Franklin, um belo e sofisticado engenheiro que a trata como rainha. Julie está animada como havia muito tempo não sentia, mas, por alguma razão, não consegue compartilhar isso com Mike Harris, seu melhor amigo. Ele, por sua vez, é incapaz de esconder o ciúme que sente dela. Quando percebe que o desconforto diante de Mike é causado por um sentimento mais forte que a amizade, Julie se vê dividida entre esses dois homens, ela tem que tomar uma decisão. Só que não pode imaginar que, em vez de lhe trazer felicidade, essa escolha colocará sua vida em perigo. O Guardião contém tudo o que os leitores esperam de um romance de Nicholas Sparks, mas dessa vez ele se reinventa e acrescenta um novo ingrediente à trama: páginas e mais páginas de suspense.

Anúncios

Resenha: A Escolha – Nicholas Sparks

Travis Parker possui tudo o que um homem poderia ter: a profissão que desejava, amigos leais, e uma linda casa beira-mar na pequena cidade de Beaufort, Carolina do Norte. Com uma vida boa, seus relacionamentos amorosos são apenas passageiros e para ele, isso é o suficiente. Até o dia em que sua nova vizinha, Gabby, aparece na porta.
Apesar de suas tentativas de ser gentil, a ruiva atraente parece ter raiva dele. Ainda sim, Travis não consegue evitar se engraçar com Gabby e seus esforços persistentes o levam a uma jornada que ninguém poderia prever.
Abrangendo os anos agitados do primeiro amor, casamento e família, A Escolha nos faz confrontar a questão mais cruel de todas: Até onde você iria manter o amor de sua vida?

Título Brasileiro: A Escolha
Título Original: 
The Choice
Autor(a): 
Nicholas Sparks
Editora:
 Novo Conceito
Número de páginas: 303
Ano: 2012
Skoob
Nota:
3,5 estrelas

A escolha tinha tudo para ser um livro 4 estrelas, no mínimo. Quando a Parte Um do livro terminou, cheguei a pensar que o Nicholas tinha me surpreendido: ele finalmente tinha conseguido escrever um romance lindo, sem aqueles lugares comuns que ele sempre utiliza. Mas o livro, infelizmente, tem uma Parte Dois, totalmente desnecessária.

Vou dizer o que sempre digo nas resenhas dos livros do Sparks: eu peguei o livro sabendo o que ia encontrar, sabia que seria uma leitura rápida e gostosa, mas que seria a mesma coisa que eu encontrei nos outros tantos livros dele que li. E no começo tudo foi como o planejado. A escrita era em terceira pessoa como de costume, às vezes pelo ponto de vista de Travis, às vezes pelo ponto de vista de Gabby (tenho que admitir que estou começando a gostar disso, me peguei várias vezes dando graças a Deus que a história foi construída assim, pois desse modo eu sabia como ambos haviam se sentido sobre determinada situação). Acho também que estou me acostumando ao ritmo dele, lembro que não gostei muito da escrita do Nicholas nos primeiros livros que li, mas dessa vez foi bem fluída e gostosa.

resenha de a escolha2

Além disso, os personagens também estavam me agradando. Não havia nada de diferente em Gabby ou em Travis, só mais dois personagens, mas eles me agradaram. Eles se apaixonaram de forma repentina demais pro meu gosto, como em todos os livros dele, mas diferente dos outros personagens do Sparks, eles não dificultaram muito as coisas, eles não deixaram a situação mais trágica do que ela realmente era. Por esses motivos, até aí eu estava realmente gostando da obra, ela tinha tudo para ser a minha favorita do Nicholas, eu estava suspirando nas cenas deles, ficando com raiva nos momentos certos e dando boas risadas com a irmã e com os amigos de Travis.

Mas então chegou a segunda parte. Não vou falar sobre o que ela se trata para não estragar para vocês, só digo que é bem típico do Nicholas e completamente desnecessário. Até agora me arrependo de ter lido essa segunda parte, o livro estava realmente muito bom e teria um final perfeito se tivesse acabado na primeira parte.

resenha de a escolha1

Bom, deixando o desabafo sobre a escrita do Sparks de lado, recomendo para todos que gostam de um bom romance água com açúcar. Esse é um dos melhores livros que li do Nicholas Sparks e, como eu disse antes, teria sido muito bom se não fosse pelo final.

Resenha – Um Amor para Recordar


Sinopse:

“Cada mês de abril, quando o vento sopra do mar e se mistura com o perfume de violetas, Landon Carter recorda seu último ano na High Beaufort. Isso era 1958, e Landon já tinha namorado uma ou duas meninas. Ele sempre jurou que já tinha se apaixonado antes. Certamente a última pessoa na cidade que pensava em se apaixonar era Jamie Sullivan, a filha do pastor da Igreja Batista da cidade. A menina quieta que carregava sempre uma Bíblia com seus materiais escolares. Jamie parecia contente em viver num mundo diferente dos outros adolescentes. Ela cuidava de seu pai viúvo, salvava os animais machucados, e auxiliava o orfanato local. Nenhum menino havia a convidado para sair. Nem Landon havia sonhado com isso. Em seguida, uma reviravolta do destino fez de Jamie sua parceira para o baile, e a vida de Landon Carter nunca mais foi a mesma.”

Título: Um Amor para Recordar
Autor: Nicholas Sparks
Editora: Novo Conceito
Número de Páginas: 184
Ano: 2011
Skoob
Nota:

Eu não estava esperando muita coisa do livro, já tinha lido resenhas positivas e negativas, então estava bem dividida, deixando para formar minha própria opinião. Já de cara eu não gostei, achei que o Nicholas estava divagando muito no começo, quando ele introduz as personagens importantes para a história. Até a página oitenta, mais ou menos, eu estava simplesmente odiando o livro, mas a partir disso ele começa a melhorar.

A história é simples e um pouco clichê — mas quem é que não ama os clichês, né? —, e tem uma trama bem óbvia. Mas ao mesmo tempo é muito linda e comovente (ainda estou em dúvida de qual achei mais bonita, essa ou Diário de uma Paixão – leia a resenha aqui) .

Comparando com outras histórias do autor — as que eu li até agora, ao menos —, achei os personagens de Um Amor para Recordar um pouco mais reais. O Landon chega até a ser um pouco fútil, apesar de que a mudança dele foi repentina demais, mas acho que pode ser considerada — como ele mesmo coloca — apenas como o amadurecimento do personagem, devido às situações que ele tem que passar. A Jamie, apesar de ser muito fofinha, conseguiu me irritar bastante às vezes pela falta de atitude.

A leitura é super rapidinha (são apenas 184 páginas), dá para ler em apenas um dia! Recomendo para quem gosta das histórias do estilo do Nicholas. E estejam preparados para as lágrimas, porque é praticamente impossível elas não aparecerem!

Resenha — Diário de uma Paixão

Não sou nada especial; disso estou certo. Sou um homem comum, com pensamentos comuns, e vivi uma vida comum. Não há monumentos dedicados a mim e o meu nome em breve será esquecido, mas amei outra pessoa com toda a minha alma e coração e, para mim, isso sempre bastou.” Noah Calhoun Assim tem início uma das mais emocionantes e intensas histórias de amor que você lerá na vida… O livro é o retrato de uma relação rara e bela, que resistiu ao teste do tempo e das circunstâncias. Com um encanto que raramente é encontrado na literatura atual, O Diário de uma Paixão de Nicholas Sparks, o consagra como um contador de histórias clássicas, com uma perspectiva excepcional sobre a mais importante e única emoção que nos mantém. Com mais de 12 milhões de cópias vendidas, o livro que emocionou as pessoas ao redor do mundo, foi traduzido para mais de 20 línguas.

Título Brasileiro: Diário de uma Paixão
Título Original: The Notebook
Autor: Nicholas Sparks
Editora: Novo Conceito
Número de Páginas: 242
Ano: 2010
Skoob
Nota:
5 estrelas

Eu não sou uma grande fã de Sparks, acho que algumas obras dele como “Querido John” e “A Última Música” são lindas, mas a escrita dele nunca me agradou. Acho a narrativa dele um pouco cansativa e as histórias (li, além desses três, “O Milagre”) um pouco repetitivas: amores que não podem dar certo por algum motivo e aquela paixão milagrosa que surge em questão de dias/semanas. E foi exatamente o que eu encontrei nesse livro e já no começo eu não tinha nenhuma grande expectativa do livro, e foi aí que eu me surpreendi.

A história pode ser dividida em duas partes, uma narrada em terceira pessoa e outra em primeira. Na primeira, na qual a maior parte é narrada por Noah, é contada a história de encontros e desencontros dele e de Allie, uma coisa um tanto quanto clichê. Eles foram separados há 14 anos, sem nunca conseguirem esquecer completamente um ao outro. Quatorze anos se passam e eles finalmente conseguem se encontrar, no entanto Allie já é casada e as coisas não parecem andar muito bem para os dois.

O que me surpreendeu mesmo foi na segunda parte, narrada apenas por Noah em primeira pessoa e no presente, quando ele já tem oitenta anos. Nessa parte ele explica o porquê de várias coisas que aconteceram durante a história, dentre essas o porquê de ele ter um diário. Quando eu vi que o livro seria narrado por ele idoso, eu tive um pouco de preconceito, pois nunca tinha lido uma história assim, mas bem, tudo que eu posso dizer dessa parte sem dar spoilers é que é completamente linda e não poderia ter sido melhor narrada. Foi um desses livros que, quando eu terminei de ler, eu não conseguia parar de chorar.

Algumas atitudes dos personagens são um tanto quanto questionáveis, sim, mas mesmo assim não dá de julgá-los (eu não consegui pelo menos). O Nicholas conseguiu demonstrar os sentimentos dos personagens de uma maneira tão… linda, tão pura, tão terna, que você se sente como se estivesse no lugar deles, sentindo por eles, e daí é impossível dizer que eles estão realmente cometendo um erro.

Eu acho que foi isso que ele quis passar no livro: como ainda existem sentimentos assim bonitos que, independentemente do que aconteçam, vão estar interligados pra sempre, sabe? Juro que nunca tinha visto dois personagens se amando tão profundamente e de um jeito tão lindo. A histórias faz até uma pessoa tão cética pro amor quanto eu acreditar que ainda existem almas-gêmeas e amores de verdade.

Recomendo para todos os amantes de um bom romance clichê. Mesmo aqueles que não curtem Nicholas Sparks, quem sabe você não se supreende como eu? E oh, o livro é super fininho e corre bem rápido!